Nas últimas semanas, as tensões entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte se agravaram, ao ponto do presidente norte-americano, Donald Trump, declarar que o regime norte-coreano sofreria com “fogo e fúria” caso a situação continuasse no patamar em que estava.

Porém, de acordo com os especialistas, um conflito direto entre os dois países é pouco provável, tendo em vista que o mais possível nesse momento é um combate armado entre as duas Coreias, que são países totalmente opostos. Enquanto a Coreia do Norte é um regime ditatorial fechado, a Coreia do Sul é uma democracia liberal, cuja economia vem crescendo e se estabelecido entre as maiores da Ásia.

O economista sênior para a Ásia, Gareth Leather, recentemente assinou um relatório no qual analisou as consequências de um possível conflito para a economia global. De acordo com ele, mesmo que a Coreia do Norte não fizesse uso do seu arsenal nuclear, o país já seria uma grande ameaça para a Coreia do Sul com o seu exército de mais de 700 mil soldados. Para agravar mais a situação, a capital sul-coreana, Seul, fica há menos de 60 km da fronteira com a Coreia do Norte, sendo assim um alvo fácil.

Em termos econômicos, a Coreia do Sul é a nona maior economia global, sendo responsável por 2% do Produto Interno Bruto global. Caso ocorra uma guerra e o PIB sul-coreano tenha uma queda de 50%, algo perfeitamente viável em um cenário de conflito, o PIB global sofreria uma queda de 1%, um percentual que apesar de parecer pequeno, pode causar impactos inestimáveis.

Atualmente, a Coreia do Sul se encontra plenamente integrada com as cadeias de valor e fornecimento, sendo sede de várias multinacionais importantes economicamente como a LG e a Samsung. Entre os principais produtos exportados pelo país estão as telas de cristal líquido e os semicondutores.

Os impactos imediatos de um conflito entre as Coreias seria o aumento generalizado nos preços dos eletrônicos e queda nos principais mercados financeiros, o que provavelmente levaria os investidores a darem preferência aos ativos mais seguros, como o ouro.

No momento, o Pentágono afirma que qualquer conflito entre as Coreias seria rápido e não tão destrutivo. Contudo, a inteligência americana já errou em tempos recentes sobre o tempo de duração da Guerra do Iraque, o que demonstra que esse tipo de previsão é altamente instável.