Só no mês de janeiro os brasileiros já pagaram mais de R$ 300 bilhões de reais em impostos. No ano passado esse valor só foi registrado no final de fevereiro. Dados foram fornecidos pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP). O “Impostômetro”, como chamam os especialistas, registrou o valor logo no segundo domingo de fevereiro.

Economistas afirmam que houve um crescimento substancial na arrecadação tributaria neste começo de ano. Com os números apresentados, a tendência e de que o valor dos impostos pagos pelos brasileiros seja muito maior até o final do ano.

O presidente da Associação, Alencar Burti, confirmou os números alegando que o crescimento do valor não aconteceu aos novos impostos criados em alguns municípios para elevar a arrecadação dos governos, mas sim porque as alíquotas de alguns impostos já existentes, subiram. Ou seja, algumas taxas, como as da conta de luz, por exemplo, foram aumentadas.

Mas o presidente Burti alerta que isso não significa que haverá um aumento no valor bruto final dos impostos pagos como afirmam alguns economistas. Burti deixa claro que vários governos pelo país, já tomaram medidas para que o valor das tributações venha a diminuir até o final do ano. Medidas foram tomadas para tentar driblar a recessão econômica do país.

Já se vê alguns efeitos dessas medidas em alguns casos. A tendência é que a divida de alguns municípios para com o governo federal seja congelada, e que eles recebam uma ajuda financeira para poder efetuar os pagamentos de seus funcionários, como no caso do Rio de Janeiro. Ou para dar continuidade a obras publicas que acabam gerando empregos para a população.

Uma dessas medidas que pode ajudar a reaquecer a economia, é a liberação do saldo inativo do FGTS de alguns brasileiros. Esse dinheiro vai ser utilizado, acreditam os economistas, no pagamento de dividas atrasadas, que pode ocasionar na liberação de credito de compra para algumas pessoas. Ou em outros casos esse dinheiro pode ser usado na compra de bens e serviços, que ajuda o comércio.

O saldo inativo do FGTS vai ficar liberado para saque na Caixa Econômica Federal. As datas de saques são diferentes para cada brasileiro. Isto também é proposital, fazendo com que a medida tenha resultados durante todo o ano.

O presidente Alencar Burti, também afirma que a tendência é de que o ano que vem seja bem melhor para os brasileiros.