Começo de mês e mal o salário caiu já foi gasto para pagar contas e dívidas. Não sobrou nenhum centavo para um passeio com a família. Dinheiro agora só mês que vem e provavelmente será do mesmo jeito. Ir ao restaurante, shopping ou até mesmo a praia, onde se gasta pouco, fica inviável. Situação assim é comum para os brasileiros, segundo o CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) mais da metade das famílias estão endividadas. Como sair da dívida? Que tal seguir uma dica simples e fácil de ser aplicada?

A primeira atitude é reconhecer as dívidas, mesmo que estejamos no início da crise. Se não for agora vai ser mais difícil no futuro. Devemos analisar nosso perfil para descobrir porque estamos extrapolando nosso orçamento. Quanto você usa do seu cheque especial por mês? Tem comprado muito no cartão de crédito? Tem honrado o pagamento das dívidas? Os juros do cheque especial e o rotativo do cartão de crédito, quando você não paga fatura toda, são exorbitantes e podem afundar você de vez nas dívidas. Outro grande problema que temos é o gasto da renda que ainda nem recebemos. Esses são alguns exemplos de comportamentos que irão destruir sua renda.

Dado o primeiro passo vamos começar a trabalhar para virar o jogo. Pegue papel, caneta e calculadora. Coloque na folha todos os seus ganhos. Em seguida escreva todos os seus gastos. As receitas devem ser maiores que as despesas. Depois que colocarmos tudo no papel teremos ciência do quanto estamos gastando a mais do que recebemos.

Feito o cálculo é hora da virada. Chame toda sua família. Não adianta só um membro da família ter conhecimento da dívida. Todos têm que saber o que está acontecendo. Depois de separar o dinheiro do mês que vai pagar as dívidas comece a cortar o supérfluo. O corte tem que ser igual para todos de forma que a família se una para vencer a crise. Não adianta cortarmos o lazer dos filhos se continuarmos a sair como se não houvessem problemas financeiros. Quando a renda estiver em dia novamente podem se dar ao luxo de reincluir um ou outro gasto.

Estude novamente suas contas para ver se só essa ação bastou para solucionar seus problemas. Caso não, comecem a controlar os gastos indispensáveis como, por exemplo, água, luz, telefone, internet e supermercado. Diminua o consumo, controle o que é necessário e corte o que não é.

Depois de pagar as dívidas e sair dessa crise, antes que ela esteja descontrolada, continue a fazer as reuniões mensais de família para o controle de gastos. Dessa forma vocês terão melhor qualidade de vida financeira e ficarão longe das dívidas.